Projetos

Cada membro do corpo docente é responsável pela realização de pesquisas que inclui discentes de pós-graduação, graduação, colaborações com outros pesquisadores da própria UFABC ou de outras instituições, incluindo o setor produtivo.

GESTÃO DA DIGITALIZAÇÃO NO ÂMBITO DA INDÚSTRIA 4.0

Coordenadora: Alessandra Akkari

A tendência mundial de implantação da Industria 4.0 segue em países industrializados avançados e está definindo uma nova era da produção, na qual há o englobamento de sistemas cíber-físicos que, por sua vez, são as bases para que máquinas inteligentes, instalações de indústrias e sistemas de armazenamento sejam capazes de trocar informações e tomar decisões indepedentemente de controladores. Assim, amaparando-se fortemente em conceitos como automação e digitalização, a indústria do futuro, visando reduzir prazos e otimizar a produção, aplica diferentes ferramentas virtuais para projetar e simular produtos e processos.

A automação de plantas fabris, por exemplo, parte de palavras-chaves como “informação” e “integração”, ou seja, diferentes tecnologias, como IoT; Big Data; Intelligent Robotics; Industrial Automation; Analytics; entre outras permitem uma interligação fabril, incluindo uma interligação entre as próprias tecnologias e entre estas tecnologias e o trabalho, os insumos, a energia e os dados de produção. Assim, a computação convencional terá dificuldade em escalonar-se com o grande fluxo de dados e com a complexidade da análise, devendo tornar-se cognitiva para processar, analisar e otimizar as informações.

Diante deste paradgma advindo de uma nova revolução industrial, apresentando características singulares e transformadoras, temos a digitalização industrial e a gestão de todo esse processo como um dos temas centrais para efetivar a implantação e otimizar os resultados provenientes da manufatura avançada. Logo, entender como ocorre o processo de digitalização, identificando gargalos e oportunidades; determinar práticas, procedimentos e rotina de gestão da digitalização no escopo industrial; estudar impactos do processos de digitalização em países emergentes; e prospectar competências e habilidades necessárias para a gestão e desenvolvimento da digitalização industrial destacam-se como objtivos específicos deste projeto.


SOLUÇÕES DE AUTOMAÇÃO DE BAIXO CUSTO PARA MELHORAR A EFICIÊNCIA FABRIL BRASILEIRA

Coordenador: Alexandre Acácio de Andrade

O Brasil possui um parque industrial muito heterogêneo do ponto de vista da ciência da automação. Enquanto setores como o automobilístico utilizam o estado da arte, milhares de pequenas industriais possuem baixíssimo índice de processos e equipamentos automatizados o que colabora ativamente para sua baixa produtividade e competitividade. Essa pesquisa visa traçar caminhos para mudar essa situação por meio de ferramentas de baixo custo, flexíveis e passiveis de serem rapidamente implementadas. Para tanto dar-se ênfase a utilização de hardwares fora dos tradicionais como o Arduino, raspberry-pi e mobile.

Essa abordagem pode ser aplicada a diversos processos onde se destacam:

  • Controles em malha fechada como temperatura, vazão e temporizações.
  • Controle de processos a eventos discretos onde intertravamentos predominam.
  • Controle de processos analógicos cujos tempos de resposta não exigem altas velocidades (maiores que 500ms).

USABILIDADE EM JOGOS DIGITAIS

Coordenador: Alexandre Santaella Braga

Este projeto insere-se no campo da usabilidade e jogabilidade, o binômio mais relevante para o desenvolvimento de jogos digitais, para os quais existem requisitos de usuário e usabilidade como em outros sistemas. No entanto, sendo a diversão do usuário uma necessidade fundamental em um jogo digital, isso pode ser observado como um dos requisitos mais importantes para o seu desenvolvimento. Esse tipo de abordagem implica uma situação na qual nem todas as necessidades do usuário são diretamente levantadas para se tornarem requisitos. O jogo digital é que cria a necessidade para o usuário, pois aquilo que o sistema deve oferecer está diretamente ligado ao que o usuário deve sentir. Este projeto de pesquisa trata de observar o processo no design de jogos digitais, especialmente no que diz respeito à revisão do conjunto de metas de usabilidade. Estas podem ser deixadas de lado em um determinado momento do projeto, em favor do requisito do usuário que é se divertir. Assim o objetivo desta pesquisa é propor uma nova forma de observação de metas de usabilidade e de um novo método de teste de usabilidade.


MODELOS DE NEGÓCIOS PARA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA BRASILEIRA

Coordenador: Anderson Orzari Ribeiro

O grupo de pesquisa tem interesse em estudar os modelos de negócios adotados pela indústria farmacêutica nacional para a introdução e comercialização de novos medicamentos no mercado brasileiro. A pesquisa busca compreender como se dá o desenvolvimento industrial de novos medicamentos, incluindo as etapas de pesquisa e desenvolvimento de fármacos, etapas de estudo clinico, de implantação da linha de produção, de regulamentação governamental e de comercialização.

Nesse contexto, o estudo busca verificar como as oportunidades de mercado, incluindo doenças negligenciadas e as de maior foco de atendimento do Sistema Único de Saúde, são identificadas e exploradas por parte da indústria e do governo, e como tais oportunidades são transformadas em valor comercial e social. Além disso, esse trabalho procura entender como é a interação da indústria farmacêutica brasileira com as universidades e centros de pesquisa, e como é sua atuação junto aos agentes de financiamento tecnológico do país.


A CULTURA DIGITAL E A INOVAÇÃO SOCIAL

Coordenador: Andrea Paula dos Santos Oliveira Kamensky

A ciência compreende conhecimentos e saberes que podem ser produzido por cientistas e por estudantes em instituições como a Universidade. Estes conhecimentos e saberes são transformados em tecnologias e processos de inovação de grande impacto nas vidas das pessoas em nossa sociedade tecnocientífica. Porém, muita inovação e criação de novas tecnologias, com novos pressupostos éticos e estéticos, especialmente tecnologias sociais e culturais, ocorrem fora das universidades e são atualmente protagonizadas por inúmeras pessoas e grupos sociais que representam amplas diversidades culturais na contemporaneidade, A consciência de como essas temáticas abordadas na educação superior podem se articular com a vivência de cada um de nós pode ajudar na construção de pesquisas, projetos e processos de inovação que criem novos conhecimentos transdisciplinares e desenvolvam novas habilidades cognitivas e comportamentais, para transformar realidades problemáticas em possíveis soluções e tecnologias com transformações que visem algum bem-estar efetivo.

Este projeto tem como objetivo construir uma perspectiva histórica para problematizar formas tradicionais e fomentar novos processos e metodologias de produção de ciência, tecnologia e inovação, considerando seus impactos na vida humana, seja no meio ambiente, no mundo do trabalho, na educação e na experiência pessoal de cada um de nós, atualmente entrelaçados por redes de informação em culturas digitais, mas também organizados em grupos de convívio muito plurais, repletos de aspectos marcados pela diversidades culturais.

Para tanto, discutimos: será que a educação, a comunicação e a divulgação científica e a formação profissional e humana nas quais estamos envolvidos nos ajudam em processos de conhecimento e auto-conhecimento que dão visibilidade às diferenças e às diversidades culturais? Será que estamos conseguindo promover cooperação e colaboração em redes de informação em culturas digitais para construção de novos processos de inovação? Como podemos considerar o papel importante das relações intergeracionais e de gênero nesses processos? Como podemos criar problematizações e propostas acerca de que tipo de saberes, de conhecimentos e de tecnologias podem, de fato, transformar nossa sociedade para o convívio democrático, saudável, plural e em meio a diversidade cultural?

Nesse projeto perguntamos sobre como podemos desenvolver pesquisas e ações e processos de inovação que nos habilitem a pensar de forma não linear como, por exemplo, atualmente já operam as linguagens das tecnologias de informação e comunicação, admitindo ideias e lógicas diferentes da nossa cultura, buscando compreender que as subjetividades e experiências vividas fazem parte da produção de qualquer conhecimento científico e tecnológico.

Para estes questionamentos e outros colocamos os seguintes focos de pesquisa:

  • Resolver problemas relacionados à garantia de liberdade de produção e circulação de informações e documentos em múltiplas linguagens e por diferentes grupos sociais com destaque para as diversidades culturais;
  • Produzir significados e propostas críticas sobre as transformações e as inovações provocadas pelas redes digitais quanto à reorganização do trabalho, da economia, do consumo, da política e da cultura contemporânea no âmbito da cultura digital;
  • Promover reflexões sobre modos de vida humanos e os debates sobre a emergência de modos de vida pós-humanos, considerando cada vez mais a hibridização dos seres humanos com as tecnologias científicas e as tecnologias de comunicação e informação, que levam ao desenvolvimento de biotecnologias e outras formas de biopoder;
  • Pesquisar e inventar formas inovadoras, democráticas e colaborativas de reorganizar o trabalho, o consumo e a vida social, política e cultural em redes digitais, privilegiando a construção de tecnologias sociais que reconheçam e valorizem as diferenças e as diversidades culturais, não permitindo que estas sejam transformadas em desigualdades ou apropriadas por poucas pessoas e grupos.

METROLOGIA PRODUTIVA E SEU PAPEL NA INOVAÇÃO

Coordenador: Crhistian Raffaelo Baldo

A Garantia da Qualidade assistida por Computador representa o nível mais alto da estrutura hierárquica da manufatura integrada por computador, e está presente em todos os setores de produção de uma empresa. Atualmente se reconhece que os desvios da qualidade surgem ao longo de todos os processos necessários para a realização do produto, e não somente durante a sua fabricação.

Por sua vez, as ferramentas da garantia da qualidade dependem de dados que expressem, de forma quantitativa ou qualitativa, características específicas de um produto ou parâmetros funcionais dum processo. Os dados são esencialmente obtidos por medições, que envolvem a comparação de grandezas ou a contagem de eventos. Uma estrutura de manufatura integrada por computador, considerando os seus subsistemas, terá uma operação robusta e eficiente somente se as informações providas pela metrologia tiverem a devida significância, contextualizando uma Metrologia Produtiva.

No programa de pós-graduação de Engenharia e Gestão da Inovação, pretendo orientar pesquisas que tenham como objetivo estudar as demandas da metrología e seus impactos na inovação de processos e produtos, propor e validar métodos e estratégias de medição para aplicações inovadoras, assim com aplicar técnicas da garantia da qualidade para a inovação incremental de processos e produtos.


SISTEMAS LOGÍSTICOS: O USO DA INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NAS OPERAÇÕES

Coordenador: Delmo Alves de Moura

O cerne desta área de pesquisa está nos processos inovadores, com o uso da tecnologia nas operações logísticas. O estudo envolve os principais modais de transportes, como o marítimo, principalmente o sistema de cabotagem, o rodoviário, o ferroviário, o hidroviário e o aéreo. A integração deste sistema visando a redução de tempo de operações e custos.

Foco em operações portuárias visando um sistema logístico sustentável e otimizado, o que inclui o uso da modelagem e simulação de sistemas. Estudo no uso de energias renováveis nas operações de transporte e armazenagem, visando a economia de baixo carbono e promovendo a inovação nas operações logísticas sustentáveis portuárias para o aumento de sua competitividade.


INFLUÊNCIA DO ECOSSISTEMA INOVADOR NA EVOLUÇÃO DAS STARTUPS TECNOLÓGICAS

Coordenador: Everton Zaccaria Nadalin

Sabe-se que o padrão de evolução das startups de tecnologia é bem diferente de outras empresas. Quais são os principais fatores que fomentam a ascensão das startups tecnológicas? Esse é o tipo de questão na agenda tanto de empreendedores como dos formuladores de políticas de Ciência, Tecnologia e Inovação. O objetivo desta pesquisa é traçar a evolução do ecossistema de startups tecnológicas brasileiras de forma a mapear a rede de inicialização de fundadores, capitalistas de risco, spinoff e organizações de apoio. Espera-se que esta pesquisa auxilie na proposição de um modelo de ecossistema que incorpore as singularidades presentes na nossa sociedade, de tal forma que incentive o aparecimento de novas empresas.


INOVAÇÃO, CONHECIMENTO E MODELOS DE TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA

Coordenador: Flávia Gutierrez Motta

O objetivo desta pesquisa é construir um quadro conceitual e metodológico sobre formas de avaliar e mensurar processos de transferência de tecnologia. Sabe-se que medir os impactos da transferência de tecnologia é um dos maiores desafios para os estudiosos desse processo, pois os impactos são numerosos e difíceis de serem analisados de forma isolada do seu contexto organizacional. Desse modo, este trabalho busca contribuir com esta temática, ao fazer uma revisão das metodologias existentes que avaliam os resultados alcançados pelos projetos desenvolvidos em parceria com ICTs e que tiveram apoio de fontes públicas. Neste projeto pretende-se identificar, além das características e resultados alcançados no projeto e seu impacto na empresa, os fatores-chave de sucesso para o processo de transferência de tecnologia, no que diz respeito aos mecanismos de proteção e difusão do conhecimento da ICT à empresa durante e após o projeto cooperativo. O processo de transferência de tecnologia é uma das fases mais importantes do desenvolvimento científico e tecnológico que, quando bem-sucedido, agrega sentido econômico e social para os recursos disponibilizados para este fim.


DINÂMICA DE INOVAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES

Coordenador: Júlio Francisco Blumeti Facó

Qualquer organização, desde as mais jovens e ágeis até as mais maduras e com cadeias produtivas consolidadas sofrem a ação da intensa competição global, da sofisticação dos mercados e das rápidas mudanças de tecnologias. A atenção às questões relacionadas à Inovação é uma das chaves para as organizações serem capazes não apenas de sobreviver ao atual turbilhão de mudanças, mas também de fazer melhor uso delas e provocar transformações de valor. Dessa maneira, a capacidade de inovação das organizações e redes de valor, bem como seus processos de inovação e geração de novidades passa a ter papel decisivo para um desenvolvimento econômico e social integrado e sustentável.


INTERAÇÕES DIGITAIS EMOCIONALMENTE INTELIGENTES

Coordenador: Karla Vittori

A emoção é fundamental para a experiência humana. Ela afeta a cognição, a percepção e tarefas diárias, como aprendizagem, comunicação ou mesmo a tomada de decisão racional. A Computação Afetiva é aquela que está relacionada com as emoções ou outros fenômenos afetivos, podendo surgir a partir deles ou influenciá-los. Deste modo, ela é uma área interdisciplinar, que combina engenharia e ciência da computação com psicologia, neurociência, ciência cognitiva, sociologia, educação, ética, entre outras. Um dispositivo afetivo pode detectar emoções e outros estímulos e responder de forma apropriada a eles. Um dispositivo computacional com esta capacidade pode detectar e interpretar as emoções a partir de diferentes fontes, como: expressões faciais, postura, gestos, força ou ritmo de uma digitação em um teclado e mudanças de temperatura da mão ao usar um mouse. Pode-se usar uma câmera digital para isso, ou mesmo, equipamentos para detectar a temperatura ou condutividade da pele, por exemplo. Busca-se, portanto, melhorar a experiência afetiva humana com a tecnologia. A Computação Afetiva pode ser aplicada à diferentes áreas, como educação, jogos, robótica, processamento de texto, processamento de imagem e vídeo, autenticação de usuários e inúmeras outras áreas onde o estado emocional do usuário é fundamental. Dentro deste contexto, este projeto objetiva desenvolver dispositivos, sistemas e serviços inteligentes emocionalmente, que sejam capazes de responder a sentimentos humanos, de forma a reduzir seus sentimentos negativos.


UMA ABORDAGEM DE SISTEMAS PARA DESIGN DE PRODUTOS

Coordenador: Luciana Pereira

A complexidades de sistemas e produtos vem aumentando em razão dos requisitos de funcionalidade, desempenho, custo, prazo, adaptabilidade às necessidades cognitivas humanas. A engenharia de sistemas complexos utiliza uma abordagem integradora no processo de desenvolvimento de novos produtos, a qual requer o envolvimento e a comunicação entre os profissionais com múltiplas origens disciplinares e outras partes interessadas, principalmente seus clientes. Essa colaboração aumenta a probabilidade de detecção de falhas durante seu ciclo de vida, minimizando retrabalhos e o tempo de entrada no mercado. Tendo em conta esse cenário, o objetivo deste projeto é estudar como as organizações gerenciam o conhecimento associado com a arquitetura dos produtos que elas projetam. Compreender esse processo é fundamental devido ao grande número de participantes envolvidos no processo de design.

Nesse caso é necessário que o conjunto de soluções seja coordenado de forma a maximizar o desempenho dos sistemas e para garantir que o produto seja executado dentro dos parâmetros estabelecidos. Em outras palavras, as empresas têm de lidar com a questão fundamental sobre como mesclar necessidades concretas e requisitos de curto prazo com uma visão de longo prazo de competitividade.


DECISÕES DE DESIGN EM TECNOLOGIAS CRÍTICAS PARA SISTEMAS SUSTENTÁVEIS

Coordenador: Petter Krus

A introdução de novas tecnologias tem originado das demandas inerentes aos requisitos necessários para criar produtos e sistemas sustentáveis. No entanto, na maioria dos casos isso não é simples. Muitas vezes tecnologias sustentáveis têm desempenho inerentemente mais baixo do que as tecnologias que substituem porque um design dominante ainda não emergiu. A fim de alcançar um padrão geral, os designers de sistemas tecnológicos complexos devem ter a oferta e a demanda em consideração. O lado da oferta está preocupado com a forma de organizar o conceito viável para a lógica do design respeitando todos os parâmetros e hierarquias de integração técnica. Por sua vez, o lado da procura deve lidar com as necessidades e expectativas dos consumidores. Como resultado, os designers são confrontados com decisões que envolvem várias incertezas, a partir de domínios técnicos, a minimização de custos e capacidade de fabricação. Ao mesmo tempo, os designers também têm que considerar a influência das variáveis sociais (culturais, econômicos, ambientais e cognitivos) sobre os requisitos do sistema, bem como o impacto dos sistemas sobre eles.

Dado esse cenário, é importante responder a uma questão mais fundamental: quais são os caminhos que guiam os designers a decisões que, eventualmente, podem se tornar um design dominante? Nós argumentamos que é importante olhar para um conjunto de exigências, assim como tentar entender quais são os novos produtos para qual essa nova tecnologia pode se tornar viável. Sendo assim, a adoção de novas tecnologias depende de uma análise cuidadosa na direção de mapeamento da região de requisitos válido. Deste modo, é possível identificar as aplicações em que pode ser utilizadas com sucesso.


INOVAÇÃO EM DESIGN DE ESTRUTURAS

Coordenador: Ricardo Gaspar

O objetivo deste projeto é estudar soluções inovadoras que otimizem as estruturas do ponto de vista da segurança, do material, da durabilidade, da funcionalidade e do impacto ambiental que ele possa causar durante a sua utilização e depois de sua vida útil. O estudo procura estabelecer o processo de concepção estrutural, a relação entre a forma e a estrutura e a necessidade de evoluir para estruturas mais flexíveis e sustentáveis.

No dia a dia das pessoas elas interagem com uma série de objetos por períodos mais curtos como uma lata de refrigerante, uma caixa de suco, uma escova de dentes, ou mais longos como um televisor, um aparelho telefônico móvel, um veículo ou uma residência.

Todos esses objetos necessitam de requisitos tecnológicos para que consigam atender com segurança às suas finalidades, em especial, suas características estruturais. Esses requisitos abrangem muitos campos do conhecimento, como o projeto, os materiais de suas fabricações, bem como suas características de funcionalidade.


ROBÓTICA MÓVEL INTELIGENTE: DA SIMULAÇÃO ÀS APLICAÇÕES NO MUNDO REAL

Coordenador: Rômulo Gonçaves Lins

O estudo da robótica móvel é um tema bastante relevante e atual, onde esta área de estudos, pesquisas e desenvolvimento apresentou um grande salto em seu desenvolvimento nas últimas décadas. A aplicação prática de robôs móveis junto a diferentes atividades em nossa sociedade vem demonstrando o quão promissor é o futuro desta área. Por exemplo, seu uso em aplicações domésticas (e.g. aspiradores de pó e cortadores de grama robóticos), industriais (e.g. transporte automatizado e veículos de carga autônomos), urbanas (e.g. transporte público, cadeiras de rodas robotizadas), militares (e.g. sistemas de monitoramento aéreo remoto - VANTs, transporte de suprimentos e de armamento em zonas de guerra, sistemas táticos e de combate) e de segurança e defesa civil e militar (e.g. controle e patrulhamento de ambientes, resgate e exploração em ambientes hostis), demonstram a grande gama de aplicações atuais dos robôs móveis e os interesses econômicos envolvidos em relação ao seu desenvolvimento e aplicação.

Neste contexto, constata-se a grande importância do desenvolvimento desta área de pesquisas em nosso país, de modo a não “ficarmos de fora” desta revolução que está transformando nossas vidas. A pesquisa e desenvolvimento em robótica móvel requerem conhecimentos de diversas áreas, da Engenharia Mecânica, Engenharia Elétrica e Engenharia da Computação. Assim o objetivo desta área de pesquisa é propor soluções utilizando robôs móveis que possam trazer benefícios para a comunidade, indústria e sociedade em geral. Através do desenvolvimento dessas aplicações, também é possível aplicar os conceitos de inovação, pois muitas dessas aplicações são passíveis de proteção à propriedade intelectual e geração de patentes.


DESIGN BIO-INSPIRADOS PARA EMBALAGENS

Coordenador: Rovilson Mafalda

O objetivo desta pesquisa é explorar e desenvolver ferramentas que irão expandir o uso de analogias biológicas no projeto de engenharia. Os resultados desta investigação permitirão ao engenheiros de produto acessar a riqueza de abordagens elegantes e engenhosas para a resolução de problemas que são encontrados naturalmente presente em sistemas biológicos. Para responder a esses desafios, este trabalho tem duas vertentes principais. A primeira é a concepção de uma embalagem sustentável bio-inspirada cuja funcionalidade incorpore materiais verdes. O segundo é o desenvolvimento e teste de um protótipo. Os estudos em biomimetismo são um campo de rápido crescimento e seu verdadeiro potencial no sustentável só poderá ser percebido por meio de pesquisa interdisciplinar cuja base seja uma compreensão holística da natureza.


BIOMIMÉTICA E IMPRESSÃO 4D

Coordenador: Silvia Titotto

A pesquisa se foca em inovação tecnológica a partir de soluções observadas em estruturas de seres vivos ou sistemas biológicos sensíveis a estímulos ambientais e propõe possibilidades de alterações morfológicas com funcionalidades responsivas a desafios de projeto.

Alguns organismos vivos têm composições teciduais e microestruturais cujas morfologias dinâmicas podem mudar de forma em resposta a mudanças em seus ambientes. Atualmente, uma das tendências de pesquisa disruptiva de vanguarda é mimetizar, via compósitos ou multimateriais impressos em 4D e/ou com incorporação de microatuadores, uma variedade de tais mudanças de forma dinâmica em resposta a alterações na umidade ou temperatura, como aquelas executadas por gavinhas das trepadeiras (Macfadyena), folhas que se retraem (Mimosa pudica L.), a perda de pigmentação das flores-esqueleto (Diphylleia grayi), entre muitos outros exemplos.

A auto-montagem é um processo comumente encontrado na natureza em que as partes desordenadas constroem uma estrutura ordenada por meio de interação local. Esse fenômeno independe de escala e pode ser utilizado para sistemas de autoconstrução e fabricação, a partir de um conjunto simples de blocos de construção responsivos, energia e interações que podem ser projetados em extensa gama de materiais e processos de usinagem, tanto no caso da prototipagem rápida via impressão 4D, em que materiais programáveis respondem de forma precisa a alterações ambientais de temperatura ou umidade, quanto por técnicas mais vernaculares como a agitação de partículas, cujos resultados são gerados randomicamente.

A auto-montagem bioinspirada promete permitir avanços em muitas aplicações da biologia, medicina, ciência dos materiais, software, robótica, fabricação, transporte, infra-estrutura, construção e aeroespacial, além de novas categorias de trabalhos artísticos. Por exemplo, pode-se visualizar parcialmente essas ideias por meio de instalações imersivas que reagem e evoluem com os movimentos das pessoas que passam por elas, alimentadas por protocélulas, como no caso de alguns trabalhos do arquiteto Philip Beesley. Pode-se traduzir este conceito como "arquiteturas metabólicas", de modo que estruturas artificiais não são mais vistas como objetos inanimados, fixos, mas como entidades vivas e respiradoras, capazes de regeneração e crescimento. Desta forma, caminha-se para uma profunda revisão dos conceitos de naturalidade e artificialidade impulsionada a partir de pesquisas em design bioinspirado.


MANUFATURA ADITIVA DE AERONAVES: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

Coordenador: Zil Miranda

O objetivo deste projeto é estudar as inovações trazidas pela indústria do futuro. Especificamente, procurar-se-á entender para onde está evoluindo a indústria aeronáutica e com que tipo de arquitetura institucional. Uma das grandes inovações é a manufatura aditiva. Ao contrário da manufatura tradicional, que envolve a criação de um objeto menor a partir de um material de fonte maior, a manufatura aditiva utiliza matérias-primas que são processadas via um sistema de manufatura digital, criando um objeto personalizado a partir desse material, eliminando excessos e desperdícios. Essa capacidade de unir projeto e manufatura via compartilhamento de arquivos resulta em enormes ramificações com potencial para diminuir o ciclo de vida do produto e reduzir os custos de produção, de transportes e de produção, reduzindo o tempo de produção, seus custos e impactos ambientais.